Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico
Parapente
Na Sua opinião Qual a melhor empresa de parapente
Sol Paraglider ?
Advance ?
Niviuk ?
Skywalk ?
Windtech ?
Flyozone ?
Nova ?
Aerodyne ?
Ver Resultados

Rating: 2.8/5 (710 votos)




ONLINE
1





Partilhe esta Página



   anac       

   soares

   cbvl  

   parabase

  

 


Início



                 

O nosso esporte Voo livre Parapente ou Paraglider.

   O Site do Clube de Voo Livre Rio Rural, ( CVLRR ) Traz A Vocês Pilotos e associados, Todas Informações E Novidades Sobre o nosso esporte, Possuindo, Vídeos, Fotos, Informativos, Notícias e Vendas de Equipamentos, Atendendo e Tirando Todas Suas Dúvidas, Mande Você Também Suas fotos, Vídeos, Equipamentos Que Deseja vender, Nós Anunciamos Gratuitamente Pelo Tel: (21) 97010 - 4077   (21) 3337- 8016 

   Esperamos que esteja gostando do site, sua opinião e colaboração é muito importante para a nossa constante atualização. Afinal, em todos os momentos do nosso esporte precisamos de muita união e parceria. Participe, sugira, critique.

 Para  envio de sugestões, críticas ou material de Colaboração: adilsonvoo@hotmail.com 

 

 

   

   Agende o seu voo duplo conosco e venha sentir esse prazer de voar! temos os melhores instrutores habilitados para ministrar também o seu curso de piloto de parapente, contatos pelo e-mail: adilsonvoo@hotmail.com                                 

  poi   

 

                                                                                            

                                              

       Conheçam o "Parabase", nova modalidade com a junção de esportes de voo livre. 

   

                                                       

  Resultados do Campeonato de voo livre em GV/2015

Pethigal vence em GV num evento muito disputado PDF Imprimir Envie este artigo para um amigo

  

Decolando sobre o céu de Gaspar - SC, a partir de um balão. Conheça o Rollover. PDF Imprimir Envie este artigo para um amigo

 

     Voo Duplo De Instrução Com Casal Victor E Bruna Em Itaguaí. 

                    
                                                        Texto do amigo Will, voador lá de Brasília.

                                                                      Voar livre

      Saber decolar e pousar é uma pífia parte do voo livre.
Voar livre é aumentar sua frequência no momento que você decidiu voar. Neste instante você já está voando, seu cérebro começa a recordar todos os sentimentos dos voos passados e alçamos voo, um voo imaginário. Seus músculos começam a se retorcer como no voo, suas pupilas dilatam, seu pulso dispara, seu sorriso aparece,seus problemas somem... Você começa a olhar o ceu diferente, vou estar lá em alguns dias, aguarde-me.

No dia do voo, você acorda em flamas, vai ao banheiro diversas vezes, seu corpo está a mil por hora, olha a condição, prepara o equipamento cautelosamente, você se sente vivo.
Você encontra os seus amigos numa felicidade plena e parte para o voo. Desliga o celular e não quer que nada ou ninguém o disperse, aquele momento é só seu. Fala-se somente coisas boas, pensa coisas boas, faz coisas boas. É um momento mágico.

Quando decola, seu espírito está em harmonia com o mundo, seu parapente é uma extensão do seu corpo. Você quer se manter no alto para ficar o mais tempo possível em voo. A hipófise aumenta a produção de endorfina que misturado a adrenalina lhe dá uma sensação ímpar de analgesia e euforia.
Voar livre é participar do campeonato de Jaraguá, onde prima pelo espírito do voo livre que é voar e voar. Sem start gates, sem pilões a cruzar.... Voa-se simplesmente por voar, compete-se só com você mesmo. Pousar onde der para pousar, voar e voar. Que saudades.
Voar livre é chegar na rampa e só marcar a proa e deixar o vento nos levar. Não é voar em cima de uma estrada o tempo todo para "facilitar" o resgate. Voar livre é cruzar roubadas, pois a condição pode estar lá e você vai ter que encarar para se manter mais tempo no ar. Voar é pousar em roubadas também é andar kms com equipamento e estar feliz. Conhecer pessoas novas, pousar aonde nenhum piloto jamais esteve.

O voo livre é desprendido de bens materiais. É desapegar-se. O carro do voo é carro de todos. Um instrumento que todos vão utilizar da melhor forma para sua segurança. Como uma mesa de bilhar onde todos estão em volta se divertindo e não existe o dono da mesa.
Voo livre é sinônimo de Fleury. Livre por natureza, com certa ressalva de tempo e recursos, rs. Voar livre é acreditar no que disse Fleury no 1º dia que voei em Brasília "... faça seu voo, onde você pousar, a gente te pega...". Neste dia pensei “Achei meu lar”.

Amizade e solidariedade, o alicerce do voo livre. Voo livre é dizer no rádio para o seu colega de bonde para ele parar de caminhar, pois iremos pegá-lo onde for necessário com as coordenadas, não sendo necessário ele estragar sua coluna carregando o equipamento pesado, só se gasta a gasolina do carro. Voo livre é retornar contra vento para voar com seu parceiro. Se tiver mais experiência que ele, voar lado a lado, comentando o voo e o "levando". Voar livre é ir num bonde, pousar longe ou perto ou pregar, e voltar noutro carro amarradão. Voar livre é ficar feliz por ter pregado e imensamente por seu amigo ter feito voozão. O voo livre é felicidade geral sem competição. Contagiante esse sentimento de euforia.
Paraglidear não é um esporte e sim um estado de espírito sublime e único em nossas vidas. Voar é passar a semana toda com uma cara estasiada que provavelmente nenhuma outra coisa do mundo irá lhe proporcionar. É ficar, em tempos de chuva, uma hora dentro do carro ouvindo músicas pirantes com os olhos fechados e voando na lembrança.

Voar livre é ficar mais próximo com o Criador e tudo de bom que está lá em cima é esquecer as diferenças e padrões. É aceitar os pequenos defeitos de seus amigos e focar naquilo que todos temos de melhor, o voo. É nos desvencilharmos desse mundo, quebrando as argolas pesadas em nossos pés. É criar asas de nylon. É agradecer as fábricas de parapente por existirem. É agradecer a Deus por estar vivo e nos ter dado esta dádiva de poder voar como os pássaros.

Voar livre é ser romântico e acreditar que isto tudo acima ainda pode existir plenamente.

Por Willian Serafim / DF

 

Teste de Porosidade do Tecido – (Porosímetro)

Antes do processo de medição os pontos a serem medidos, deverão ser inspecionados quanto a avarias. Pequenas avarias do revestimento na área de medição adulteram o resultado, o teste será feito em 5 pontos do extradorso e 3 pontos no intra-dorso. Dos respectivos valores será criado uma média geral que representa o grau de porosidade.

Caso um dos valores desviarem muito da média, a área de medição deverá novamente ser inspecionada quanto a avarias e, eventualmente ser deslocada. Para a avaliação do estado geral do equipamento, deverá ser considerado somente o valor médio das medições da vela superior.

  0 á 5 s. –>  Não recomendamos usar, riscos de parachutagem

  6 á 25 s. –>  Muito usado, mas ainda voável

  26 á 80 s. –>  Usado, voável

  81 á 200 s. –>  Pouco usado, semi-novo

  + 200 s. –>  Excelente, novo.

    

Obs.:

  a)  A tabela de parâmetros da porosidade do tecido acima, está sendo apresentada em Segundos;

  b)  Esta tabela de porosidade apresentada, vale somente para os velames fabricados pela SOL Sports ou seja todo fabricante deve definir sua própria tabela de porosidade.

    Teste de Resistência das Linhas

 - Mede-se a resistência das linhas pegando sempre a linha dos tirantes A, linha do centro sendo esta que mais sofre carga comparado as outras, tendo também um desgaste se comparados as outras em geral.

  - Valores aceitáveis, neste caso existe uma variação dependendo da espessura das linhas.

- Linhas de espessura 1.1 o valor máximo quando nova 80 á 90 KG.

- Linhas de espessura 1.5 o valor máximo quando nova 130 á 140 KG.

- Linhas de espessura 2.10 o valor máximo quando nova 200 á 220 KG.

- Linhas de espessura 1.1 o valor aceitável 35 KG.

- Linhas de espessura 1.5 o valor aceitável 75 KG.

- Linhas de espessura 2.10 o valor aceitável 110 KG.

 

Teste de Resistência do Tecido

- Teste com aparelho Betsometer e dependendo do fabricante e tecido existe um valor aceitável para então o equipamento não colocar em riscos de rompimento de células em situações extremas – ( Assimétricas e Front-stoll )

- Valores aceitáveis: 600 Gramas, se o mesmo romper com menos de 600 gramas este será reprovado na manutenção, se este não romper daremos continuidade a revisão geral.

Inspeções Gerais e Conferências dos Elementos de Conexões dos Tirantes

- Inspeção das fitas dos tirantes.

- Costura dos tirantes.

- Conferência das medidas dos tirantes para ver se está dentro das medidas padrões conforme certificação de homologação.

- Carga de 20 KG nos tirantes.

- Conferência de simetrias dos tirantes.

- Inspeção dos mosquetinhos, lacres dos mosquetinhos, magnéticos.

  Inspeções Gerais e Conferência das Linhas

- Checagem individual das linhas.

- Checagem das costuras das linhas.

- Conferencias das medidas das linhas para ver se está dentro das medidas padrões conforme norma de homologação.

- Carga 20 KG nas linhas.

- Conferência de simetria das linhas.

- As cargas nas linhas são dadas no set completo para então deixar todas as linhas nas medidas originais, pois as linhas dos tirantes C / D sofrem menos cargas podendo ter alterações das medidas, assim seu parapente ira apresentar reações e comportamentos fora do padrão – (Vela em stall) .

- Isto somente ira acontecer se este não for feito a revisão anual conforme manda as normas de homologação.

  Inspeções Gerais dos Tecidos e Costuras

- Teste resistência do tecido – (Bettsometer)

- Checagem de todo tecido extradorso.

- Checagem de todo tecido intradorso.

- Checagem das partes internas sendo diagonais e perfis.

- Checagem de todas as costuras em geral.

      Observações Gerais:

  a)  Quem define até quando a vela é voavel é o fabricante. Na fábrica a experiência tem mostrado que estes valores são aceitáveis e com margem de segurança (é claro que isto leva em conta que a trimagem do velame esta ok, dentro dos parâmetros mínimos para cada modelo). Quando a Fabrica certifica um produto este já possue um manual de inspeção, tabelas de valores mínimos para a tolerância das linhas, porosidade, resistência do tecido, resistência das linhas e a reparação das velas referente aquele modelo e este é o procedimento a ser seguido.

 b)  No manual tem o "check list" que deve ser obedecido rigorosamente na inspeção, isto também faz parte da homologação e deve constar no manual de cada parapente, seja ele nacional ou importado.

  c)  Os técnicos sabem que um parapente trimado corretamente e com a porosidade acima de 5 segundos vai voar dentro das espectativas e para manter-se em vôo com segurança deve estar acima de 20 segundos no "top" e principalmente bordo de ataque, o "botton" e as partes traseiras são meramentes informativos, não entram na avaliação final.

    É por este e outros motivos que sempre que alguém tem interesse na compra de equipamentos usados, é importantíssimo que façam uma "Revisão Geral" com laudo e este deve levar em consideração o que está sendo apresentado neste tópico, pois o laudo que considera um equipamento em condições de uso, deve obedecer rigorosos critérios de inspeção.

     " Premissas básicas que fazem parte da certificação de um Parapente "

     Somente após esta inspeção geral, seu Parapente estará dentro das normas de Homologação.